segunda-feira, 10 de março de 2008

Respeito é bom e toda mulher gosta

A Lei Maria da Penha tem ajudado a reduzir os casos de violência contra a mulher, mas em Pernambuco, em especial, a situação é aterradora. Se em 2007 quase 300 mulheres foram assassinadas no estado, em 2008, somente nos dois primeiros meses, 60 mulheres já perderam a vida. A violência doméstica tem sido uma constante na vida de muitas mulheres brasileiras. Na maioria dos casos, elas são vítimas de seus próprios companheiros ou ex-companheiros.

Uma iniciativa interessante é a Campanha do Laço Branco 2008: Homens por uma cultura sem violência contra a mulher, que vai ser lançada amanhã às 20h00 na Sala Villa-Lobos do Teatro Nacional em Brasília.

Buscava informações sobre o assunto na internet, quando me deparei com o Portal Violência Contra a Mulher, do Instituto Patrícia Galvão. É um verdadeiro banco de dados sobre o tema. Fala sobre programas de prevenção, assistência e combate a esses crimes, publica um glossário, aponta os tipos de violência etc., e informa sobre campanhas, fornece dados e pesquisas, reportagens, artigos, legislação e normas, convenções e outros documentos internacionais, políticas públicas, ONGs que trabalham com o tema, guias de serviços, datas importantes, banco de fontes, contatos e especialistas e links. Vale uma visita.

E pra quem não conhece, taí a letra da música Maria da Penha, cantada pela Alcione e escrita por Paulinho Resende e Evandro Lima.


Maria da Penha

Comigo não, violão
Na cara que mamãe beijou
''Zé Ruela'' nenhum bota a mão
Se tentar me bater
Vai se arrepender
Eu tenho cabelo na venta
E o que venta lá, venta cá
Sou brasileira, guerreira
Não tô de bobeira
Não pague pra ver
Porque vai ficar quente a chapa...
Você não vai ter sossego na vida, seu moço
Se me der um tapa
Da dona ''Maria da Penha''
Você não escapa
O bicho pegou, não tem mais a banca
De dar cesta básica, amor
Vacilou, tá na tranca
Respeito, afinal, é bom e eu gosto
Saia do meu pé
Ou eu te mando a lei na lata, seu mané
Bater em mulher é onda de otário
Não gosta do artigo, meu bem
Sai logo do armário
Não vem que eu não sou
Mulher de ficar escutando esculacho
Aqui o buraco é mais embaixo
A nossa paixão já foi tarde
Cantou pra subir, Deus a tenha
Se der mais um passo
Eu te passo a ''Maria da Penha''
Você quer voltar pro meu mundo
Mas eu já troquei minha senha
Dá linha, malandro
Que eu te mando a ''Maria da Penha''
Não quer se dar mal, se contenha
Sou fogo onde você é lenha
Não manda o seu casco
Que eu te tasco a ''Maria da Penha''
Se quer um conselho, não venha
Com essa arrogância ferrenha
Vai dar com a cara
Bem na mão da ''Maria da Penha''

3 comentários:

Sig Mundi disse...

Isso é triste. Como pode um ser humano ser dotado de tais atos? Imagino o medo dessas mulheres, em viver ao lado de um doido varrido, e as vezes sem chances de lutar ainda perde a própria vida!

beijos, andrea e arthur

andarilha disse...

É triste mesmo, porque muitas mulheres não conseguem denunciar os agressores por viverem na mesma casa e por não terem condições de sobreviver sozinhas. No Nordeste, principalmente, o mercado de trabalho para as mulheres está praticamente estagnado e por isso, muitas dependem dos maridos, muitas vezes, seus agressores.
Ainda é uma dura realidade que o Brasil precisa reverter.

bjs.

Patty Diphusa disse...

É, amore, essas coisas me lembram pque ainda precisamos ter um dia internacional da mulher. Já disse que ficarei feliz quando esse dia for tirado do calendário por ser completamente desnecessário.

Eita Maria da Penha porreta...

Bjs