terça-feira, 17 de junho de 2008

E viva a simplicidade

Dizem que muitos engenheiros e jornalistas são cozinheiros frustrados. Isso deve ter um fundo de verdade, porque conheço vários deles que fazem gastronomia, se não o curso regular, pelo menos cursos esporádicos. Gostam de receber amigos, contar suas incursões na cozinha, e comprar livros sobre gastronomia. A tradução de passeio pra esse povo, é dar uma volta pela rua Paula Souza e pelo Mercado Municipal.



Um desses aficcionados é um amigo engenheiro, o Maurício, que foi ao Food & Wine e entre tantos workshops, assistiu à apresentação de Jerônima Barbosa, proprietária da Pousada São Jerônimo na Ilha de Marajó (foto).



Quando o encontrei, no dia seguinte ao evento, ele ainda estava empolgado com Jerônima, completamente cativado pela simplicidade e pela experiência dela. Uma das coisas que mais o impressionou foi o turu, que aprendeu com ela, tratar-se de um molusco “que penetra no tronco de árvores caídas nos 'mangueiros', tipo de mangue”. O turu, segundo ele, é comprido e fino, podendo chegar a ter 1 m de comprimento. São encontrados dentro das toras de madeira que são quebradas pelos nativos que os colhem e utilizam de diversas formas. Alguns o comem cru, outros em preparados como caldos e cozidos. O Maurício provou o turu cru e segundo ele, o gosto se assemelha ao da ostra, com um gostinho de madeira ao fundo.



E haja coragem, porque nem ostra eu encaro crua!



2 comentários:

philippine lottery disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
rohit disse...

hiiiiiiiiiiiiiiiii

you are fantastic!!!

a kiss for you, my dear friend!

god bless u dear

can we exchange our link

r u ready to do?