segunda-feira, 25 de agosto de 2008

A viagem na viagem

O mercado da gastronomia está em franca expansão. São festivais gastronômicos nacionais e internacionais, congressos de gastronomia, novos cursos em universidades e escolas de culinária, publicações sobre comida e vinho e muitas outras iniciativas que pipocam país afora.

No Brasil, uma das editoras que mais tem publicado livros de gastronomia é a Senac (incluindo a nacional, a de São Paulo e a do Rio de Janeiro). Ainda estou lendo “SAL: uma história do mundo”, de Mark Kurlansky, e comecei a “viajar” nas páginas de “Viagem Gastronômica Através do Brasil”, de Caloca Fernandes. De aniversário ganhei o livro "Celeiro", do restaurante de mesmo nome, que fica no Rio. Eu já tinha o "Saladas" do Celeiro, e aguardava a reedição do livro de culinária. E acabo de ganhar "Com unhas, dentes & cuca", do Alex Atalla e do Carlos A. Dória. Sobre o "Sal", falei um pouquinho no post “O sal e nós”, e sobre o "Viagem", que é um livro pra ler aos poucos, já deu pra sentir que é uma verdadeira obra de arte: reúne lindas fotos tiradas em diferentes cidades do país, receitas culinárias e história.

Caloca Fernandes conta como a formação do povo de cada lugar influenciou a culinária. Exemplo mais fiel disso é a gastronomia amazônica, que até hoje, felizmente, preserva o “fazer” indígena, seja na extração dos subprodutos da mandioca, seja nos utensílios utilizados.

Gosto de livros que mesclam a história e o modo de fazer as coisas, sem muita frescura.

3 comentários:

Aurora Boreal disse...

Falando em história e gastronomia.....
Dia desses vi num canal a cabo parte de um documetário (perdi o início) sobre comida peruana.
Muito interessante!
Historiadores, antropólogos, população em geral, especialistas e estudiosos de culinária andina e pré-colombiana, um chef peruano (gatéssimo) que preparou uma variada mesa de pratos que todos os participantes confraternizaram no final do programa com o apresentador.
Uma beleza vê-los discorrer e identificar a forte presença moura na culinária peruana de hoje.
Claro, o programa foi todo "temperado" com pisco.
E deu água na boca ver o chef gatéssimo tirar as folhas de bananeira que cobria o pachamanca, a versão peruana do curanto da Ilha de Páscoa (que leva uma diversidade maior de ingredientes; afinal, porque não incluir os frutos do mar tão fartos na ilha?)
Você tem razão: história + comida é um tema arrebatador.
Besitos

andarilha disse...

Ainda não conheço o Peru. Veja bem, ainda! Mas está na lista das próximas viagens. Tenho a maior curiosidade pra conhecer os diferentes pratos, as batatas. Lá existem cerca de 100 tipos diferentes de batatas. Tem até o Museu de las Papas em Lima. Já pensou? Se você souber de reprise desse programa, avise.

bjs.

Aurora Boreal disse...

Sinceramente, nem sei qual era o canal.
Vou dar uma pesquisada e se encontrar alguma indicação, eu te aviso sim, querida.
Besitos.