terça-feira, 18 de setembro de 2007

O espinho do pequi

Pra quem já ouviu falar, mas nunca viu, a foto mostra os famosos espinhos do pequi. São finíssimos e costumam surpreender os desavisados ficando cravados em toda a boca. Um bom anfitrião costuma alertar os iniciantes na arte de comer o pequi. Portanto, quem avisa, amigo é! Quando se deparar com um pequi no seu prato, roa a polpa. Nunca, mas nunca morda a fruta!

A foto é de Silvestre Silva, do livro Maravilhas do Brasil - Frutas (Escrituras Editora).

6 comentários:

Patty Diphusa disse...

Só o nome do blog já me dá água na boca...quero frango com pequi, quero frango com pequi, quero...

andarilha disse...

patty diphusa, tenha paciência. Um anjo vai te ligar um dia desses pra te convidar pra um frango com pequi especial. Mas espere sentada, ou deitadinha no sofá, porque pode demroar um pouco. Você sabe que os anjos são poucos na face da terra e andam muito ocupados!

andarilha

Atmalus Mailetse disse...

Gosto de pequi
Que achado, o nome do Blog!
Como boa mineira, filha do cerrado, amo pequi. O fruto, para mim, tem sabor de infância, das férias passadas na roça de Jequitibá, Inhaúma e Cachoeira do Prata (então, Cachoeira do Macacos), no entorno de Sete Lagoas, porta do sertão roseano, impregnada de veredas; parte daquela "mesopotâmia" de que fala Guimarães Rosa.

Inácia, prima velha de meu pai, me servia, todas as manhãs, chocolate de pequi: fervido no leite integral, sem pasteurização, com um bom naco de rapadura. Indescritível! Minhas papilas ainda guardam o sabor.

Naqueles tempos, as ruas de uma Belo Horizonte ainda mais província, rescindiam a pequi em tempos de safra. Tabuleiros enormes atravancavam as calçadas da Tamoios e São Paulo com Tupis e Amazonas; da Carijós, Caetés e Paraná... das vias em torno do mercado central.

Anos mais tarde, em Montes Claros, bem ao norte, aprendi a fazer arroz de pequi com carne-de-sol, regado a uma boa cachaça. Em Uberlândia, no Triângulo, incorporei a galinhada com pequi - que se faz misturada ao arroz ligeiramente colorido com açafrão. E, no Brejinho, distrito de Jequitibá, meu primo Valdemar - da minha linha materna - fabrica uma pinga vigorosa, que faz par perfeito com o pequi cozido no tira-gosto.
Ai que banzo, saudável, das Gerais...
Obrigada, Reiko.

Anônimo disse...

alguém tem alguma dica para tirar os espinhos de pequi da boca? sabia que não podia morder, mas fui traído por um pequi com a polpa muito fina!

claudia disse...

gostaria tambem dicas para retirar os espinhos da boca e garganta. pois, mode o carroço do pequi.

Leo Santos disse...

sou outro que preciso de ajuda com os espinhos!